EnglishFrenchGermanItalianPortugueseSpanish

Publicações IAE-UGT

O Futuro do Trabalho no Brasil

O presente estudo é uma tentativa de antecipar o que ocorrerá nos próximos quinze anos e como a UGT ‒ União Geral dos Trabalhadores ‒ e os demais sindicatos podem contribuir para o bem-estar e a prosperidade do País, tendo como público-alvo os seus membros.

Reforma Fiscal y Políticas Sociales

A revolução do trabalho temporário

Palestra do diretor do IAE em evento da CSA – Confederação Sindical das Américas, com  participantes de toda a América Latina.

Hoje, quase metade de todos os postos de trabalho criados é uma fonte de pobreza, consequência de uma mudança nos padrões de trabalho, os trabalhos temporários (não registrados), uma tendência que se iniciou na década de 1970 e vem crescendo exponencialmente desde a recessão de 2008.

As novas tecnologias e o mundo do trabalho.

PEC 55: única via para o equilíbrio orçamentário?
Os conflitos distributivos a partir do novo regime fiscal.

Trata-se de palestra do diretor do Instituto de Altos Estudos da UGT, Roberto Nolasco, no 11º INOVAE – Feira de Tecnologia promovida pelas faculdades FMU.

O Instituto de Altos Estudos da UGT (IAE-UGT) organizou um debate sobre a PEC 55 com o objetivo de proporcionar subsídios mais consistentes sobre esta proposta de emenda constitucional que modifica o regime fiscal do país. Neste sentido, foram contatados dois economistas colaboradores do IAE para que as duas posições, uma contra a PEC 55 e outra a favor, fossem apresentadas com dados e argumentos.

A situação atual no setor de TI

Solidariedade e ação coletiva no novo mundo do trabalho

Definir o setor de tecnologia e informação (TI) é difícil por dois motivos: O primeiro é a evolução constante de equipamentos, serviços e modelos de negócios. O segundo é o alcance deste setor, que varia de acordo com diferentes institutos de pesquisa. Dito isto, uma das definições mais comuns é a utilização de computação através de hardware, serviços de software e infra-estrutura para criar, armazenar, realizar intercâmbio e obter informação de várias formas para se realizar uma infinidade  de objetivos.

Neste momento é impossível identificar com certeza o que vai funcionar e o que não vai. E os desafios só vão aumentar. Líderes empresariais, confrontados com as exigências para uma adaptação rápida, frequentemente, usam a imagem de trocar os motores da aeronave, enquanto o avião ainda está no ar. Os sindicatos têm este problema também: eles precisam continuar a servir os membros existentes enquanto descobrem como adentrar arenas desconhecidas.

Ampliando a Proteção Social

O Be-A-Bá do Crescimento Já

O que há de comum entre ambulantes, pescadores, cordeiros e trabalhadores rurais? Uns trabalham nas ruas das cidades e vendem produtos, outros serviços e ainda outros sua força de trabalho, como os trabalhadores rurais e os cordeiros, que “dão duro” para assegurar o brilho e a alegria do carnaval em Salvador. Mas eles têm algo em comum: a precariedade do trabalho, as condições difíceis para exercer suas atividades, o abandono público, quando não, pura e simplesmente, a violência das ruas e do campo.

Em poucas palavras, o debate sobre a superação da crise está desfocado. As atenções estão nos gastos do governo, com um descaso para com o setor privado, que é quem paga a conta e faz a economia crescer. Embora o desequilíbrio fiscal seja importante e deva ser enfrentado, o principal componente da crise é a dinâmica do crédito privado. A evidência é contundente em apontar a responsabilidade da dinâmica do crédito pelas dificuldades da economia do País.

PEC 55

Reforma da Previdência

A PEC 241 que no Senado ganhou o numero 55, trouxe uma ampla discussão de quem perde e de quem perde mais. Como afeta toda a sociedade, é importante para aqueles que têm a obrigação de discutir o assunto com sua base, ter um sólido conhecimento. Este trabalho desenvolvido pelo Instituto UGT foi no sentido de analisar de maneira isenta os itens da PEC55; promover uma reunião aberta na UGT onde tivemos a participação de um palestrante a favor e outro contra, ambos com argumentos sólidos e com conteúdo. O resultado aí está para que você possa tirar sua própria conclusão.

No bojo da discussão de como sair da crise, o governo ensaia uma reforma da previdência social, dentre outras coisas que também afetam a vida dos trabalhadores. Para entrar nesta discussão de forma mais técnica, o Instituto UGT preparou uma analise e algumas sugestões acerca de possíveis reformas aventadas pelo governo para a previdência. Não se trata de uma proposta da UGT e sim uma analise do Instituto para servir de base aqueles que deverão levar a discussão de uma possível reforma para sua base de trabalhadores e desta forma participar do debate com maior volume de dados e condições de debate

As consequências da Parceria Transpacífico

Mercado de Trabalho

A Parceria Transpacífico (TPP) se configura numa das tentativas de reorganização da Economia Mundial em favor dos países desenvolvidos e, especialmente, em favor do país hegemônico, os Estados Unidos.
Embora o TPP seja apresentado pela Opinião Pública como um grande acordo em matéria de livre-comércio de mercadorias, é no setor de Serviços, principalmente, sobre as novas regras de patente e propriedade intelectual, que o mundo sentirá suas consequências.

Na última década, houve uma melhora generalizada dos níveis de emprego no Brasil com a queda da taxa de desemprego, aumento do número de vínculos empregatícios formais e crescimento dos salários dos profissionais ocupados.
Até o ano de 2008, a economia era voltada ao mercado externo que estava favorável, mas a partir de 2009, a crise externa mudou este cenário e o Brasil voltou-se ao mercado interno, que recebeu investimentos e foi responsável por impulsionar a economia.

O Brasil tem Norte

Exportar para Empregar

O Brasil estaria desorientado diante das crises econômicas e políticas, discutindo o que precisa ser resolvido antes e sem visão do que seria o país, após a superação das crises.
Esta é a visão de parte do Brasil, e não de todo o Brasil. É a visão do Brasil Industrial do Sudeste, onde se concentra a crise:
De Brasília para o sudeste e sul.
Na realidade o Brasil tem norte. Está orientado pela tradicional bússola. Que não perdeu a sua utilidade com o GPS.
A saída das crises é pelo Norte.

A exportação de commodities sustentaram as importações e o próprio crescimento, durante os últimos anos.
Com a baixa generalizada das cotações das commodities no mercado internacional, as exportações dessas perderam o papel de sustentador ou incentivador do crescimento da economia. Resta a alternativa das exportações de produtos industrializados.
O aumento da renda das exportações pode promover a dinamização da economia nacional.

Capacitar para Empregar

O papel das centrais sindicais na formulação de políticas públicas

Diante da importância socioeconômica do turismo e das incertezas da economia, faz-se necessário identificar os setores que têm se mantido estáveis e principalmente aqueles que têm se beneficiado nos últimos tempos, ou seja, aqueles que não sofreram com a crise e também os que estão crescendo em função dela.

O debate sobre as possibilidades e limites das políticas públicas com ampla repercussão na sociedade se intensificou nas últimas décadas. A construção do incipiente Estado de Bem-Estar no Brasil suscitou amplas discussões tanto no âmbito acadêmico quanto no âmbito político, novamente colocando o conflito entre a necessidade antecedente do crescimento econômico como viabilizador para a implementação de políticas públicas.

Relatório Preliminar do Estudo Relação
entre as Centrais Sindicais e o Congresso Nacional

O Relatório apresenta um diagnóstico perceptivo das relações entre as centrais sindicais e o Congresso Nacional, assim como a percepção do papel dos sindicatos na sociedade de parlamentares e técnicos que atuam no parlamento como assessores e analistas.